Saber e Repetição

O estudo sobre a temática da repetição esse ano provocou em mim algumas inquietações e questionamentos que me proponho a compartilhar com vocês.

Estudar um conceito em psicanálise é um trabalho que vai para além dos livros e dos textos, convoca a uma experiência que inclui também a clínica. Para mim, ao menos, é um vai e vem entre textos e reflexões sobre uma prática.

E assim também me propus a escrever este texto que agora apresento a vocês.

Quando pensei no tema a trabalhar aqui, confesso que não foi fácil, pois todo ano é assim, temos que em um determinado momento fazer essa escolha para que a organização dessa Jornada possa caminhar, distribuição das mesas, confecção dos materiais, e tudo mais. Então o que precipitou naquele momento de escolha foi o saber e a repetição. Poderia ter sido tantas outras coisas, mas foi essa.

Pensando na clínica, como o saber se relaciona com a repetição? Bom um paciente pode procurar por uma análise porque acredita, ou se incomoda com algumas repetições em sua vida. E quer saber porque isso acontece com ele. Mas outras vezes um paciente pode também chegar na análise querendo saber como resolver alguma questão em sua vida, alguma situação nova que tem que enfrentar, por exemplo. Nessas duas situações que acabo de descrever existe a referência a um saber, e a uma situação que faz com que as coisas não andem bem.

Mas que coisas são essas? Seguindo Lacan ao escutar este sujeito estamos advertidos de que ele ao dizer sobre o que lhe incomoda, não sabe o que diz. É um sujeito dividido entre o que diz e o que sabe (dividido entre saber e verdade). Chega nos dizendo que a maneira como ele ajeitou as coisas na sua vida até aqui não está funcionando, chegou em um ponto em que algo está tão incomodo que ele resolveu buscar uma ajuda.

Não é só um trabalho de análise que se pode procurar em situações assim. Alguns recorrem por exemplo aos textos, a livros, a um saber também. Existem livros que estampam esta promessa em suas capas, e em títulos chamativos. O que o sujeito busca? Uma referência, busca em algum lugar uma espécie de saber que possa ensinar como ele pode continuar caminhando pela vida de preferência sem sofrer. Procura por uma saída, uma mudança.

É interessante que uma categoria de livros assim receba o nome de autoajuda. Pensando em autoajuda como uma ajuda que o sujeito consegue por ele mesmo. Ele mesmo consegue se autoajudar. O que parece é existir um engodo, porque se assim fosse ele não precisaria do livro. Penso que aí também existe uma tentativa de encobrir a impossibilidade de existir um saber que de conta da verdade. Ou seja, um saber que possa dizer tudo.

Essa não possibilidade de existência de um saber que de conta da verdade está articulada com a própria constituição do sujeito. Ao sermos seres falantes somos afetados pela linguagem, com a linguagem já não fazemos relação direta com as coisas, não existe encaixe perfeito. Sempre irá existir uma falta que nunca poderá ser completada. Contudo a experiência de satisfação inscreve no psiquismo a existência de uma completude possível, miticamente experimentada, porém nunca mais encontrada.

Ao ser falado o sujeito, para existir, se aliena a essa fala respondendo com o seu ser (com sua própria falta) a uma falta que localiza no Outro. O bebê chora e a mãe diz tem fome, o bebê responde a essa demanda do Outro e se aliena a um significante vindo dele. Para existir como sujeito será necessária uma outra operação, a de separação, o sujeito se separando da alienação significante e nesta operação destacando um significante que o represente, se separando do Outro, se dividindo, marcando uma falta em ser um significante que completa o Outro.

A partir de Freud entendemos que a falta é estrutural, não temos como nos livrarmos dela. Esta impossibilidade de completude como um vício estrutural (a falta no Outro e no sujeito) é o que põe o desejo em movimento. No primeiro encontro com o desejo este se inscreve para o sujeito como desejo do desejo do Outro.

Porém existe aí também a tentativa de recuperação de um gozo, pois temos duas condições do objeto de causa do desejo, a partir da ausência, e de objeto de gozo, a partir da presença. O desejo inscrito para o sujeito como desejo do desejo do Outro, na operação de alienação, comporta um efeito de gozo, por uma suposição de assim completar a falta no Outro.

Na operação de separação o desejo estaria relacionado à tentativa de reencontrar um objeto suposto de satisfação plena, um objeto ausente que causa o desejo.

O sujeito chega a análise adoecido por um gozo que o retem, em uma condição de existência como desejo do desejo do Outro.

Qual o trabalho a ser feito? O que uma análise pode produzir e como isto tem relação com a repetição?

Será que o sujeito chega repetindo um sofrimento? A partir da leitura que Lacan faz dessa temática em Freud e principalmente pelas modificações que este introduz no texto Mais além do princípio do prazer, onde Freud vai vincular a repetição à pulsão de morte, ou seja, a um desligamento em oposição a ligação promovida pela pulsão de vida. Temos a repetição atrelada a inscrição da diferença, pois para haver diferença um desligamento, um efeito de rompimento se produz. E a partir daí uma possibilidade de mudança. De uma mudança de posicionamento em relação a falta.

A partir do que Freud vai desenvolvendo neste texto temos a repetição atrelada a um fato de estrutura, ou seja, não é algo que deve ser superado, faz parte da estrutura, acontece uma única vez e a partir de então se torna necessária.

Necessária para que? Para marcar uma diferença, para que uma mudança possa se produzir. A partir destas reflexões, e ao escrever este texto pensei se a repetição como fato de estrutura não estaria relacionada com a operação de separação. Penso que não é a toa que os nomes são diferentes, se a operação de separação e a repetição fossem a mesma coisa não teriam nomes diferentes. Então uma não se subsumi na outra. Porém o que me fez pensar nesta aproximação foi que tanto em uma como em outra temos como produto um significante que representa o sujeito.

O sujeito chega na análise dizendo sobre isto que se reproduz em sua vida, se não da mesma forma com os mesmos efeitos para ele. Repete/reproduz como tentativa de sair da mão do Outro, da prisão em um gozo que o adoece.

Na análise o trabalho é de suspender aquilo que se acredita saber. Penso em uma dupla suspensão de saber, do analista pela via do operador desejo do analista e do analisando pela via da quebra de sentido. Interrogando-se sobre o que mais pode ter aí? Vetorizando sua dúvida não por aquilo que ele chega afirmando que carece de sentido, mas para o que está construído para ele como uma verdade inquestionável. Uma abertura para que até mesmo tempo e espaço possam perder uma certa estabilidade que monta a consistência histórica desse sujeito.

Pela via da transferência, em um trabalho de análise, é possível alcançar a repetição, como uma operação produtora de diferença / corte por onde um novo significante pode ser produzido pelo sujeito. Um significante que o represente para outro significante. Então como se pode alcançar a repetição pela transferência? Desconstruindo, descristalizando sentidos, escavando, fazendo buraco para que algum encontro com o sem sentido possa tocar um pedaço do real. É pela via da busca de saber em um sujeito suposto a possui-lo que o analisando pode chegar mais próximo da verdade de seu desejo do saber inconsciente que o determina. Para ter desejo temos que marcar uma falha, uma abertura para desejar.

Podemos pensar que ele encontra o que ele não procurou. Procurou por um saber, mas algo retorna para ele, do que ele mesmo traz e que causa surpresa, que abala o sentido que até então ele tinha encontrado. Neste trabalho de escavar os sentidos é que o analista, sustentando a sua função, pode acessar a repetição, pela via da transferência.

Porque eu coloquei sustentando a sua função? Porque pode ser que em algum momento ele não sustente. E por mais que o paciente retorne, repita um caminho, volte a cada seção, se ele não encontra o analista, não há transferência que possa levar a repetição no sentido de acessa-la. O “tratamento” pode continuar, e um pode fingir que não morreu e o outro que vai vivendo, em um trabalho que embora possa parecer que produza algo diferente resulta na continuidade de uma modalidade de gozo.

De que mudança estamos falando? Na análise de uma mudança de posicionamento. Isso não quer dizer que grandes mudanças na realidade desse sujeito aconteçam que possam servir como atestado de que houve repetição. Essa mudança de posicionamento talvez possa enganar quem está de fora e  busca pistas de se houve ou não houve repetição. Será que mudou? Percebesse que a pessoa está diferente, mas não se sabe muito bem localizar em que.

Mas para o sujeito isso não engana. Embora também não consiga precisar quando ou o que necessariamente mudou, sabe, porque sente de maneira diferente, as coisas da realidade que passam a afeta-lo de outra forma. Não porque elas mudaram, mas por uma modificação em sua estrutura, por um efeito de sentido.

Eu gosto de pensar em formas de ilustrar as formulações que vou fazendo, isso me ajuda a dar mais concretude as coisas que me parecem tão abstratas. Em textos anteriores usei para isso contos que retirei da literatura. Esse ano não me surgiu nenhum o que me possibilitou fazer diferente inventar um, bem simples, não é um conto, mas uma estorinha bem simples que não deixa de ter referência as estórias que escutamos em nossas clinicas.

É como se o paciente que chegasse para a análise se encontrasse em um barco no meio do oceano. Para ele, até então, tudo estava bem em viver assim, mas algo pode estar se passando que faz com que essa tranquilidade fique ameaçada. Ele chega querendo saber como continuar tranquilo ali. No decorrer do trabalho, a partir do seu dizer, outros elementos podem ser incluídos nesta cena, elementos que se precipitam e são assinalados pelo analista. Existe um céu, sol, estrelas, elementos que vão propiciando uma modificação na posição do sujeito em relação a essa cena que ele constrói. Tem um trapiche, pode sair do barco, caminhar, dirigir um carro, voar de avião. Penso que não é o fato de que novos significantes possam ser incluídos na cena que produz uma diferença, mas o posicionamento do sujeito em relação a eles. Reposicionar o movimento como causa de seu desejo e partir desse ponto poder decidir até mesmo ficar parado apreciando a paisagem com maior tranquilidade, ou voltar para o barco, aquele em que ele chegou em sua análise.

O atravessamento da linguagem faz buraco e o fantasma é uma construção que o sujeito faz para dar conta dos efeitos que isso tem para ele. Essa construção fantasmática comporta para o sujeito uma impotência imaginária, na maneira como ela dá sustentação a existência desse sujeito, como aquele que deve garantir a falta no Outro.

Na estrutura isso que é da ordem do que não pode ser recoberto pelo imaginário ou significado pelo simbólico diz respeito ao Real [ao que não cessa de não se inscrever]. Lembrando que todos os três registros têm igual importância, tanto o Real, quanto o simbólico, quanto o imaginário, fazem parte da estrutura. A forma como estão acomodados é que pode ter uma relação com este efeito de sofrimento para o sujeito.

A análise permite transformar essa impotência imaginária em encontro possível com o Real. Com a impossibilidade de garantir a falta no Outro, e poder continuar existindo como causa de desejo. E como se faz isso? É dizendo para o sujeito que as coisas são assim? Talvez para alguns de nós isso, essa busca por um saber referencial na psicanálise faça parte da contingência que monta essa relação do saber com a falta.

E quando vamos buscar explicação nos textos de Lacan o que ele nos convoca? A um trabalho, a muito trabalho. A um trabalho que produz logo de cara um abalo os sentidos cristalizados, na lógica que estamos acostumados em um pensamento de causa e efeito.

Precisamos dar muitas voltas no texto, repetidas voltas, para poder ir escrevendo com mais tranquilidade um texto que seja próprio. Enquanto ainda não podemos, nos servimos das letras daqueles que nos antecederam nesse trabalho de ir além.

Autora: 

Texto apresentado na IV Jornada da Associação Livre Psicanálise em Londrina – Novembro/2016.

0 respostas

Deixe uma resposta

Quer juntar-se a discussão?
Sinta-se à vontade para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *